A evolução do BRT

O projeto de renovação do conceito de BRT (Trânsito Rápido de Ônibus), com o maior uso da tecnologia da conectividade e da tração alternativa, estabelecendo assim pontos essenciais na perspectiva das cidades inteligentes por meio da promoção de muita informação e comunicação, além do equilíbrio ambiental, é visto como um fator chave dentro do contexto da mobilidade urbana.

É de conhecimento que os sistemas de ônibus urbanos não são considerados competitivos em grandes centros urbanos por ter que disputar, na maioria dos casos, espaço com os automóveis nas ruas, causando-lhe um efeito negativo em sua operação, com perda de tempo, desconforto e queima desnecessária de combustíveis.

Para que os problemas do modal possam ser resolvidos é preciso buscar soluções, já disponíveis no mercado brasileiro, como os próprios corredores expressos de ônibus. Entretanto, podemos ir além do que existe. É o que defende a Volvo Bus Latin America ao expor seu conceito CIVI (City Vehicle Interconnect) recentemente para prefeitura de Manaus (AM). O governo manaura demonstrou interesse no projeto e fará um chamamento público para o referido processo de implantação de um moderno sistema de transporte público.

De acordo com a Volvo, o CIVI foi projetado para operar com ônibus que possuam trações híbridas em sua versão convencional e articulada, além de utilizar os recursos de serviços conectados da montadora para criar um sistema de transporte inteligente ainda mais eficaz que os atuais BRT. A gestão da operação é feita pelo ITS4Mobility Volvo, com terminais e estações conectados por fibra ótica, e veículos conectados  por rede de dados, promovendo maior eficiência e produtividade.

Ayrton Amaral, especialista e consultor de mobilidade da Volvo Bus LA, comentou que a proposta é estabelecer uma nova relação do usuário com o transporte público e, para isso, o sistema precisa de velocidade, confiabilidade, segurança e tarifa justa. Dentre os destaques operacionais dessa nova versão de BRT estão o menor investimento para a sua implantação, como também o reduzido período de construção. Por outro lado, o custo operacional é bem menor que sistemas VLT (veículo leve sobre trilhos) e metrô, oferecendo os mesmos níveis de qualidade que os referidos sistemas sobre trilhos.

Como se vê, podemos alcançar benefícios ambientais e para a mobilidade urbana com recursos que transformam a imagem do modal ônibus, permitindo que as pessoas possam ter um modelo de transporte rápido, confortável, acessível e moderno.

Imagens – Secretaria de Comunicação da prefeitura de Manaus e Arquivo Volvo