Negócios externos contribuem com a conta no azul

A fabricante gaúcha de carroçarias para ônibus Marcopolo fechou o primeiro trimestre de 2017 com crescimento de 29,5% em sua receita líquida (R$ 554,6 milhões, contra R$ 428,3 milhões obtidos no 1T16) em virtude do grande trabalho realizado, especialmente desde o final de 2015, para conquistar mercados no exterior, com a ampliação das exportações em 107,1% e das receitas de suas operações no exterior em 46,3%.

Para José Antonio Valiati, diretor de Relações com Investidores e de Controladoria e Finanças, apesar de ter dado sinais de início de retomada, o mercado brasileiro de ônibus apresentou, no trimestre, volumes ainda abaixo dos níveis históricos e normais de produção, o que impediu um melhor desempenho. “A produção total brasileira foi 33,5% inferior à do 1T16, com 1.366 unidades contra as 2.055 unidades produzidas no mesmo período do ano passado”, comentou.

De acordo com a empresa, sua produção neste ano para o mercado nacional alcançou 46,8% no 1T17, contra 32,2% no 1T16. Em nota, a fabricante destaca no período o crescimento de 16 pontos percentuais no segmento de rodoviários, alcançando 68,2% de participação de mercado, bem como o aumento de 35,9 pontos percentuais de participação no mercado de micros, totalizando 52%, explicado pela consolidação dos volumes fabricados pela controlada Neobus.

Quanto a futuro, o que significa dizer o ano de 2017, a Marcopolo traça um panorama de demanda, tanto no mercado interno como no mercado externo, indicando retomada nas vendas, especialmente no segmento de rodoviários. A regulamentação de acessibilidade, vigente a partir do próximo mês de julho, e a obrigatoriedade de redução da idade média da frota nas linhas interestaduais e internacionais afetará positivamente o segmento. Já no segmento de urbanos, a queda no primeiro trimestre demonstra que a demanda segue pressionada, especialmente devido às incertezas relacionadas aos reajustes das tarifas e indefinições acerca de processos licitatórios para renovação de concessões.

Potencial salvador das contas novamente, o mercado externo continua com uma demanda forte, sendo que as exportações permanecem aquecidas em todos os segmentos, o que deverá contribuir para um novo desempenho positivo da companhia. As unidades externas, com ampliação de seus negócios, confirmam a expectativa de crescimento, com destaque para a controlada Polomex, localizada no México.

Imagem – Divulgação